o tempo das vacas

aprecia o pulso, o ritmo

o tempo do cheiro antecipar

quem vem longe transpirando através

das lufadas de ar

 

o olho da vaca

vê longe e alonga o plano

dilata a vala e o espaço se esgarça

pro peito da vaca respirar

 

a pausa, para quem pensa que é pausa,

é elástica, é vibrátil

é microcosmos de eventos

é o tempo da cara da vaca te encarar

 

o cheiro da vaca

é de planta e espanta o excesso de civilidade

sua presença é prenha de consciência de ser vaca acompanhada

não existe vaca sozinha

vaca é sempre manada

 

o tempo das vacas e do campo

é um compasso justo

sabe bem ao corpo do homem civilizado

mesmo que não se compreenda a cadência e o ritmo

e venha para a roça insistir em calendário

 

no tempo das vacas a pedra

dura se dissolve

e vira água

que jorra no pasto

pp, joanópolis, sp

Advertisements